expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

sábado, 30 de janeiro de 2016

Oncidium lancerianum

Oncidium lancerianum

Origem: Brasil e Paraguai.

Ambiente: Gosta de clima quente e seco durante o dia e queda de temperatura e aumento de umidade à noite.

Luminosidade: Prefere meia-sombra.


    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Características: É uma orquídea epífita, com pseudobulbos atarracados, pequenos, com cerca de 2 centímetros, encimados por uma folha lanceolada, coriácea, com 15 centímetros, em média, verde-claras.

Tipo de substrato: Pode ser plantada diretamente em troncos de árvores, em toquinhos de madeira ou cachepôs de madeira com uma mistura de fibra de casca de coco ou esfagno e casca de pinho ou peroba.

Regas: Diárias. O substrato deve ser mantido semi-úmido.

Doenças e pragas: As doenças mais comuns são de origem fúngica, principalmente a "podridão-negra", que pode matar a sua orquídea se não for detectada a tempo. Os pseudobulbos e folhas ficam negros e moles. Quando detectada a tempo, pode as partes afetadas, isole a planta e trate com fungicida específico, recomendado por um agrônomo.
As pragas mais comuns são as cochonilhas que se alojam facilmente na base das folhas. Utilize óleo de nim ou inseticida piretroide para o combate.



    Foto: Maria do Carmo Silva


Adubação: Utilize NPK 10-10-10 ou outro adubo com macronutrientes equilibrados, quinzenalmente.

Floração: Ocorre no outono/inverno. Emite uma haste floral de até 30 centímetros, portando até 10 flores de 3 centímetros de diâmetro, com pátalas e sépalas amarelas, densamente maculadas de marrom e labelo lilás na base e branco-lilacíneo na saia.

Status ecológico: Pequeno risco de extinção na natureza.

Abraço orquidófilo!



domingo, 24 de janeiro de 2016

Dendrobium thyrsiflorum

Dendrobium thyrsiflorum

Origem: Himalaia, China, Índia, Myanmar, Tailândia, Laos e Vietnã.

Ambiente: Quente e seco durante o dia e frio e úmido durante a noite.


    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Luminosidade: Meia-sombra. Pode ser cultivado sob árvores ou usando-se telado com proteção de 50% ou 70%.

Características: É uma orquídea epífita, com pseudobulbos fusiformes, longos, de até 50 centímetros de comprimento, folhas alternadas, imparimpenadas, lanceoladas, verde-brilhantes.

Tipo de substrato: Pode ser plantada diretamente em troncos de árvores, em tocos de madeira ou em cachepôs de madeira com uma mistura de fibra de casca de coco e casca de peroba ou pinho.

Regas: Diárias.

Doenças e pragas: É uma orquídea bastante resistente a doenças, salvo quando seu substrato fica encharcado, quando pode ser acometida de doenças fúngicas como a "ferrugem" ou a "podridão-negra". Nesse caso, a planta deve ser isolada, ter a parte afetada podada e ser tratada com fungicida específico, recomendado por um agrônomo.
As pragas mais comuns são os percevejos e pulgões, principalmente na fase de brotação. Para os percevejos, utilize inseticidas piretroides e para os pulgões pulverize detergente líquido diluído em água.



    Foto: Maria do Carmo Silva


Adubação: Use NPK 20-20-20 ou qualquer outro adubo com macronutrientes equilibrados e boa dosagem de micronutrientes, quinzenalmente. Nunca exceda a dosagem recomendada pelo fabricante.

Floração: Ocorre no fim do inverno e início da primavera. Emite uma haste floral lateralmente ao ápice do pseudobulbo com até 40 centímetros, portando até 40 flores com pétalas e sépalas brancas e labelo amarelo-ouro.

Status ecológico: Sem risco de extinção.

Abraço orquidófilo!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Masdevalia angel frost

Masdevalia angel frost

Origem: É uma orquídea híbrida, primária, resultante do cruzamento de duas espécies: Masdevalia veitchiana e Masdevalia strobelli.

Ambiente: Quente, úmido e com boa ventilação.


    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Luminosidade: Gosta de locais sombreados, como varandas ou com telado de proteção de 80%.

Características: É uma orquídea epífita, formando pequenas touceiras, com folhas alternadas, lanceoladas, verde-brilhantes.

Tipo de substrato: Pode ser cultivada diretamente em troncos de árvores ou usando-se cachepôs de madeira com esfagno ou fibra de casca de coco misturados a pequenas cascas de pinho ou peroba.

Regas: Diárias.

Doenças e pragas: As doenças mais comuns são aquelas causadas por fungos, como a "podridão-negra" ou "ferrugem". Isole a planta, faça uma amputação da parte afetada e trate com fungicida específico, recomendado por um agrônomo.
As pragas mais comuns são as cochonilhas e pulgões. Cochonilhas podem ser combatidas usando óleo de nim ou inseticida piretroide. Pulgões, basta diluir detergente líquido em água e pulverizar.



    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Adubação: Recomendo utilizar NPK 10-10-10 ou qualquer outro adubo com macronutrientes equilibrados e com boa dosagem de micronutrientes, quinzenalmente. Nunca exceda a dosagem recomendada pelo fabricante.

Floração: Pode ocorrer mais de uma vez por ano, dependendo do cultivo, mas floresce melhor na primavera. Emite uma ahste floral por entre as folhas, portando uma flor com pétalas, sépalas e labelo amarelo-ouro.

Abraço orquidófilo!

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Epidendrum pseudepidendrum

Epidendrum pseudepidendrum

Origem: Panamá, Costa Rica e Guatemala.

Ambiente: Quente, úmido e bem ventilado.

Luminosidade: Gosta de locais sombreados. Pode ser cultivado sob árvores bem copadas ou usando-se telado com proteção de 80%.

Características: É uma orquídea epífita, com pseudobulbos de até 60 centímetros de comprimento, portando folhas alternadas, lanceoladas, verde-brilhantes.



    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Tipo de substrato: Pode ser cultivado diretamente em troncos de árvores ou em cachepôs de madeira com uma mistura de fibra de casca de coco ou esfagno e casca de pinho ou peroba,

Regas: Em dias frios, uma vez por dia. Em dias quentes, duas vezes por dia.

Doenças e pragas: Pode ser atacada por doenças fúngicas, principalmente a "ferrugem". O ideal é cortar a parte afetada, isolar a planta e aplicar um fungicida recomendado por um agrônomo.
Indico sempre, como preventivo, a aplicação de sulfato de cobre numa mistura de um grama por litro de água, juntamente com a adubação.
As pragas mais comuns são os percevejos e os pulgões. Os primeiros devem ser combatidos com inseticidas piretroides ou óleo de nim. Os pulgões podem ser eliminados com uma mistura de detergente líquido e água.

Adubação: Use NPK 20-20-20 ou qualquer outro adubo com macronutrientes equilibrados e boa dosagem de micronutrientes, semanalmente.

Floração: ocorre na primavera. Emite uma haste floral no ápice do pseudoblbo, portando até 5 flores de 3 centímetros de diâmetro com sépalas e pétalas verde-claras e labelo largo laranja. Parece ser feita de plástico.

Status ecológico: Sem risco de extinção.

Abraço orquidófilo!