expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Meyracilium trinasutum

Meyracilium trinasutum

Origem; México, Guatemala e El Salvador.

Ambiente: Quente e úmido, bem arejado.


    Foto: Maria do Carmo Silva


Luminosidade: Meia-sombra. Pode-se utilizar telado com proteção entre 70% e 80%.

Características: É uma orquídea epífita, pequena, pseudobulbos pequeníssimos, folhas ovais, coreáceas, com pequeno vinco ao meio, longitudinalmente, folhas muito próximas umas das outras, formando pequena touceira.

Tipo de substrato: Pode ser cultivada diretamente em troncos de árvores, em tocos de madeira ou em cachepôs de madeira com uma mistura de fibra de casca de coco ou esfagno com casca de pinho ou peroba.

Regas: Diárias.

Doenças e pragas; As doenças mais comuns são aquelas causadas por fungos, como a "podridão-negra" e a "ferrugem". Nesse caso, o ideal é podar a parte afetada, isolar a planta, diminuir regas e tratar com fungicida específico recomendado por um agrônomo. Como prevenção, pode-se adicionar um grama de sulfato de cobre por um litro de água, juntamente com a adubação.
As pragas mais comuns são as cochonilhas. Exigem muita atenção, pois se aproveitam da proximidade das folhas umas das outras e podem passar despercebidas. trate com inseticida piretroide.



    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Adubação: Utilize NPK 10-10-10 ou outro adubo com macronutrientes equilibrados e boa dosagem de micronutrientes como ferro e zinco, quinzenalmente.

Floração: Ocorre no meses de agosto e setembro. Emite pequena haste floral, portando até 4 flores de 2,5 centímetros de diâmetro, com pétalas, sépalas e labelo lilases. 

Status ecológico: Ameaçada na natureza.

Abraço orquidófilo!

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Epidendrum parkinsonianum

Epidendrum parkinsonianum

Origem: Brasil.

Ambiente: Quente e úmido.


    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Luminosidade: Prefere locais mais sombreados. Pode-se usar telado com proteção entre 70% e 80%.

Características: É uma orquídea epífita, de crescimento irregular, com folhas uninervadas, aciculadas, vincadas, pendentes, verde-escuras.

Tipo de substrato: Pode ser plantada diretamente em troncos de árvores, em toquinhos de madeira ou em cachepôs de madeira com uma mistura de fibra de casca de coco com casca de pinho ou peroba.

Regas: Diárias.

Doenças e pragas: As doenças mais comuns são as causadas por fungos, como, por exemplo, a "podridão-negra". Quando infectada, o melhor é podar a parte afetada, isolar a planta e tratar com fungicida específico recomendado por um agrônomo.
As pragas mais complicadas para essa espécie são as cochonilhas, que podem atacar e se esconder nas bainhas das folhas. Use inseticida piretroide.




                      Foto: Maria do Carmo Silva


Adubação: Use NPK 20-20-20 ou outro adubo com macronutrientes equilibrados e com boa dosagem de micronutrientes como o ferro e o zinco. Aplique quinzenalmente em toda a planta.

Floração: Ocorre na primavera. Emite uma haste floral na base das folhas, portando até 4 flores de 7 centímetros de diâmetro, com pétalas e sépalas branco-esverdeadas e labelo branco, saliente.

Status ecológico: Ameaçado de extinção na natureza.

Abraço orquidófilo!